simone_beauvoir.jpg

Como admirador da obra e também da vida de Simone de Beauvoir, eu não poderia deixar passar em branco a data em que, se fosse viva, ela completaria 100 anos. Entretanto, sem tempo para escrever algo apropriado para a ocasião, deixo a cargo da própria Simone o texto deste post:

Sartre disse-me um dia que tinha a impressão de não ter escrito os livros que desejava escrever aos 12 anos. “Mas afinal, por que privilegiar uma criança de 12 anos?”, acrescentou ele. Meu caso é diferente. Certamente, é muito difícil confrontar um projeto vago e infinito com uma obra realizada e limitada. Não sinto, porém, um hiato entre as intenções que me levaram a escrever livros e os livros que escrevi. Não fui uma virtuose do escrever. Não ressuscitei os reflexos das sensações, nem captei em palavras o mundo, como Virginia Wolf, Proust, Joyce. Mas não era esse meu objetivo. Queria fazer-me existir para os outros, comunicando-lhes da maneira mais direta o sabor da minha própria vida: mais ou menos consegui fazê-lo. Tenho grandes inimigos, mas também fiz muitos amigos entre meus leitores. Não desejaria nada mais do que isso.

Balanço Final (1972)

. . . . . . . . . . . .

O corpo de Beauvoir não existe mais. Contudo, seu pensamento, suas idéias e palavras, seus livros perduram até hoje, e ainda são capazes de influenciar e interessar muita gente — eu que o diga. Não deve existir mesmo nada mais desejável para um ser humano do que sobreviver a si próprio através de algo que o simbolize dignamente: sua obra.

Anúncios